terça-feira, 30 de agosto de 2016

Matos de Comer: Picão-preto

As plantas alimentícias não convencionais (PANC) são plantas que a maioria de nós não comemos, ou por falta de conhecimento, ou mesmo costume. Portanto, são plantas alimentícias que poderíamos consumir, mas não consumimos.

Incluem assim uma vasta gama de matos de comer ou hortaliças. Ainda, frutas silvestres e cultivadas em vários lugares; alguns tipos de grãos, vagens, feijões e cereais.

O interesse crescente por essas plantas não está somente em suas características nutricionais, mas também em sua valorização, sendo que as mesmas sofrem um sério risco de desaparecerem. Ainda, auxilia na valorização da nossa diversidade nativa, popularizando o seu uso em determinadas regiões.

Da serie Matos de comer, a sétima planta a ser citada é o: Picão-preto.


Apesar de ser uma planta daninha muito agressiva, o picão-preto apresenta vantagens interessantes para nossa alimentação.

Seu nome cientifico, Bidens, vem do latim e significa “dois dentes”, remetendo à forma de sua fixação em determinados lugares quando em contato. Como quando andamos em lugares que tem picão e eles grudam nos nossos pelos ou roupas.

Muito utilizado pelos indígenas, como planta medicinal, o picão é rico em vitaminas e minerais, como o magnésio, o ferro e o potássio.

Seu sabor levemente picante lembra o espinafre. Isso se deve, pois, o picão-preto apresenta muitas saponinas, por isso antes do seu consumo deve ser fervido.

Com crescimento rápido e abrasivo, apresenta flores amarelas, no caso do picão-preto e flores brancas, no caso do picão-branco, facilitando sua forma de identificação.

Para o consumo suas folhas jovens e brotos são mais gostosos. Suas folhas podem ser utilizadas em chás, na sopa ou colocadas no arroz que vai cozinhar, ou até na omelete.

Desidratada pode ser misturada juntamente com a farinha, a fim de enriquecer o pão, por exemplo.

Vale lembrar que essas informações foram obtidas através de estudos. Jamais poderão ser utilizadas plantas, raízes e frutos desconhecidos, podendo os mesmos ser tóxicos, ocasionando alergias até a morte.

Quando fizer a opção por PANC é de extrema importância ter a certeza que de fato são alimentícias. Para isso você pode consultar o livro Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) no Brasil, resultado de 10 anos de trabalho dos autores Valdely Kinupp e Harri Lorenzi.

2 comentários:

  1. A água em que eu fervo essa erva eu devo jogar-la fora ou não? Em casos de eu fazer chá, como faço pra evitar sofrer com suas saponinas contidas em suas folhas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Dennys, não deve-se jogar a água de fervura fora, pois ela serve para vários fins medicinais. Quando disse em ferver para o consumo é a planta em si, como ela presenta muitas saponinas, seu consumo in natura não deve ser feito. Portanto, você evita as saponinas fazendo um chá por infusão das folhas, por exemplo.

      Excluir